As condições de saúde no sistema prisional brasileiro

30 de abril de 2021

Categoria(s): Saúde Ocupacional

Tag(s):

Norberto Bobbio (2004) salienta que o problema em relação aos direitos humanos não está na positivação e no reconhecimento legal, afinal eles estão garantidos no arcabouço legislativo: o grande entrave está na sua efetivação e aplicabilidade prática.

Essa premissa pode ser constatada quando nos reportamos a analisar as condições de saúde nas quais estão submetidas as pessoas privadas de liberdade no interior das prisões brasileiras.

No que tange a saúde, a Lei 8080 de 1990, denominada Sistema Único de Saúde (SUS) preconiza que “a saúde é um direito do cidadão e dever do Estado, e deve ser garantida mediante a oferta de políticas sociais econômicas”, política esta de caráter universal, integral e gratuita devendo ser estendida a todos os cidadãos independente da condição em que se encontram.

Neste liame as pessoas privadas de liberdade que hoje abarrotam as prisões brasileiras devem ter o direito à saúde garantida de forma digna, humana, integral e universal, no entanto, a realidade vem deflagrando uma enorme incongruência entre o direito positivado e a aplicabilidade prática.

Desta forma, Moraes (2015, p. 72), menciona que um dos grandes desafios para o Sistema Único de Saúde e o Sistema Prisional são as doenças infecciosas, que são aquelas transmissíveis por agentes patogênicos como vírus, bactérias e parasitas, e se dissipam rapidamente em ambientes fechados e com grande contingente de pessoas, como são as prisões brasileiras.

É o caso da escabiose (sarna) que se alastra por roupas e colchões, da hanseníase (lepra) e das hepatites (A, B e C) e, principalmente, da tuberculose.

De acordo com o referido autor, o contágio das doenças infecciosas ocorre no sistema prisional devido a alguns fatores relacionados ao próprio encarceramento, tais como: celas superlotadas, mal ventiladas e com pouca iluminação solar; exposição frequente à micro bactéria responsável pela transmissão da tuberculose; falta de informação e dificuldade de acesso aos serviços de saúde na prisão (MORAES, 2015).

Corroborando com as reflexões apontadas acima, Costa (2015, p. 74) complementa a discussão informando que, segundo o médico chefe do presídio Central de Porto Alegre, Clodoaldo Ortega, 25% da população carcerária do Central sofria de tuberculose, doença facilmente transmissível, ainda mais considerando o ambiente insalubre, que pode e deve ser diagnosticada na própria unidade prisional e que se, adequadamente tratada, possui 100% de chances de cura.

Ainda neste sentido o programa Profissão Repórter exibido pela rede globo no dia 07 de junho de 2017 aponta uma realidade nem um pouco alheia ao que estamos acostumados a presenciar, metade das mortes que ocorrem dentro do sistema penitenciário é causada por doenças como HIV, sífilis e tuberculose.

O repórter Estevan Muniz esteve em dois presídios no Piauí e um na Bahia para mostrar as péssimas condições sanitárias. Havia baratas nas caixas d´água; esgoto dentro das celas e dezenas de ratos nos corredores. Na penitenciária de Esperantina, um surto de sarna atingiu 150 detentos e até o diretor do presídio.

Pode-se aferir frente a estes dados que o Estado enquanto garantidor e propulsor de políticas públicas está deixando muito a desejar, expondo milhares de seres humanos que estão sob sua custódia a condições subumanas, cruéis, degradantes e vexatórias, voltando-se totalmente na contramão do que prevê inúmeros instrumentos legislativos positivados tanto em nível nacional quanto internacional.

Diante desse cenário deprimente, é possível falar em reintegração social? Como o Estado está preparando estes seres humanos para o retorno a vida em sociedade? O que podemos fazer enquanto coletivo humano para reverter essa dramática situação de violação de direitos?

Certamente os desafios são inúmeros, mas devemos adotar uma atitude de reflexão e indignação, só assim poderemos quem sabe provocar transformações neste universo marcado pelo descaso em relação ao ser humano.

Neste contexto, coaduna-se com Bauman (2005, p. 108-109), quando este compara as prisões brasileiras a verdadeiros “depósitos de lixo humano”, e salienta que

o sistema resume-se hoje quase que totalmente em separar de modo estrito o “refugo humano” do restante da sociedade, excluí-lo do arcabouço jurídico em que se conduzem as atividades dos demais e “neutralizá-los”. O “refugo humano” não pode mais ser removido para depósitos de lixo distantes e fixado firmemente fora dos limites da “vida normal”. Precisa, assim, ser lacrado em contêineres fechados com rigor. De forma explicita, o principal e talvez único propósito das prisões não é ser apenas um depósito de lixo qualquer, mas o depósito final, definitivo.

O pensamento de Bauman nos leva a considerar que realmente o sistema prisional brasileiro não está preocupado em garantir os direitos preconizados na legislação atua de um modo totalmente repressivo e cruel, colocando em risco milhares de vidas humanas e ainda percebe-se cada vez mais um retrocesso em relação as políticas de segurança pública, visto que segue crescendo o índice de reincidentes demonstrando desta forma a total falência do sistema no que pertine a reintegração social das pessoas privadas de liberdade. Um cenário marcado pelo retrocesso e pela ausência de comprometimento com o futuro e com a vida humana.


REFERÊNCIAS

BAUMAN, Zygmunt. Vidas Desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

COSTA, Dagoberto Albuquerque da. Presídio Central de Porto Alegre. In. RIGON Bruno Silveira; SILVEIRA Felipe Lazzari; MARQUES Jader (Org.). Cárcere em Imagem e Texto. 1 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

MORAES, Ana Luísa Zago de. Tuberculose e Cárcere. In. RIGON Bruno Silveira; SILVEIRA Felipe Lazzari; MARQUES Jader (Org.). Cárcere em Imagem e Texto. 1 ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

Paulo Moisés B. Lourenço
Paulo Moisés B. Lourenço

Editor chefe do Portal TPNews.
Publicitário, Formado em comunicação Social pela Universidade Gama Filho.

Compartilhe

Assine nossa newsletter

 

Nos siga nas redes sociais

 

Veja também

Offshore põe Paulo Guedes no centro da agenda política da semana…

Escândalo revela que ministro Paulo Guedes lucrou com empresa em paraíso fiscal, a cada mês algum membro da equipe de Bolsonaro é pego em escândalo. Desta vez, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é suspeito de movimentar  milhões de dólares de forma ilegal no...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.