Policial Penal do Rio, denuncia corregedor da SEAP-RJ ao ministério da justiça e segurança pública

29 de abril de 2021

Categoria(s): Denúncias

Tag(s): Rio de Janeiro

Por – Marcos V. Campos – Jornalista

RIO – O Inspetor de segurança e administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Camilo, Diretor Financeiro da AGEPEN BRASIL (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES PENITENCIÁRIOS DO BRASIL) e Presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro – SINDAPERJ,  protocolou denúncia junto ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, por suposto crime de interceptação, contra o então corregedor da SEAP-RJ, devido ao uso de prova ilícita, para fins de abertura de sindicância e processo administrativo.


Segundo denúncia encaminhada à ouvidoria do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em face do Corregedor da Secretaria de Estado e Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro, teria usado monitoramento das redes sociais, interceptação de dados e telemática, sem autorização judicial, para fins de instaurar processo administrativo contra o servidor.TPNews teve acesso aos documentos enviados ao Ministro da Justiça Sergio Moro, em seu conteúdo relata além do suposto crime de interceptação, fraude processual, a corregedoria teria juntado punições de terceiros como se fossem do servidor Wilson Camilo, para fins de manchar a reputação do servidor ilegalmente indiciado.
 Denúncias de membros da própria inteligência da SEAP-RJ, relatando que:  “o Corregedor estaria usando ilegalmente o “Guardião” (equipamento de escutas) para interceptações telefônicas ilegais, para fins pessoais e políticos, sem a devida autorização judicial, sem o conhecimento do Ministério público, e que possivelmente, até mesmo o atual Secretário de Estado de Administração Penitenciária e seus subsecretários, estariam sendo alvo de grampo ilegal, pelo ex corregedor, auxiliado por uma servidora da Corregedoria, que atualmente encontra-se lotada na subsecretaria geral, esta servidora seria cônjuge de um ex chefe do SISPEN citado na fraude das tornozeleiras.
Para Wilson Camilo “A Corregedoria e a CPIA (comissão de inquérito administrativo) deveriam passar por uma varredura, assim como os presídios do Estado estão sendo varridos pela nova gestão, pois há fortes indícios de práticas de crimes por servidores nos dois setores, assim como a existência de uma organização criminosa, com tentáculos da milícia e da quadrilha do ex governador Sérgio Cabral” atualmente preso em Bangu VIII”.Documentos comprovam que, pessoas que cometeram crimes, como tráfico de drogas, extorsão, porte ilegal de armas de calibre restrito, crime contra o patrimônio público, corrupção passiva, dentre outros, estariam sendo protegidas por uma organização criminosa que, ainda se encontra nos setores correcionais da SEAP.


A C.P.I.A já teria arquivado o processo administrativo do Servidor Diego Victer, preso e condenado por tráfico de drogas, Diego Victer, segundo denúncias; teria parentesco com o ex secretário de educação do estado do Rio de Janeiro, “Wagner Victer”, Governo Pezão e no governo Cabral  presidia a CEDAE.


A CPIA, acobertou e protege até hoje, um de seus próprios membros, que, teria cometido vários crimes. É o caso do servidor  Raphael Eduardo Dias Mendes, preso em 23/12/2017. após fazer disparos de arma de fogo em via pública, alcoolizado etc… A assessora chefe – SEAP/IA,  delegada da polícia civil, Ivanete Fernanda de Araújo, entendeu como transgressão passível apenas de repreensão verbal, sem mácula funcional, apesar do processo criminal ainda não ter sido concluído. Atualmente, Raphael Eduardo Dias Mendes, continua atuando como secretário da primeira comissão de inquérito administrativo da SEAP/IA, causando constrangimento ético e moral para a instituição SEAP-RJ. Servidores em situação de falta disciplinar de menor potencial, teriam sido demitidos, escorraçados da vida pública, mesmo após absolvição da justiça.

 Foi o caso da Servidora Adriana Evangelista, que após reagir a uma tentativa de assalto, foi absolvida por legitima defesa putativa pela justiça, entretanto, pela C.P.I.A , o pedido foi a sua demissão sumaria.

Fica a pergunta.. O servidor Wilson Antonio Camilo Ribeiro.. Foi punido com 20 dias de suspensão, por postar em sua página do Facebook, matéria de domínio público,  sem expressar se quer opinião sobre o texto publicado…  Isto seria mais grave do que dirigir embriagado e disparar arma de fogo de propriedade do estado em via pública?

DA INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA SEM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL;

A Seap possui um tipo de interceptação telefônica ilegal, qual seja, em diversas unidades prisionais, existem parabólicas, essas respectivas antenas, possuem o poder de interceptar qualquer ligação telefônica de dentro ou nas proximidades das unidades prisionais, sem distinção, qualquer um que ligar de dentro dos presídios ou nas proximidades, assim como nas portarias e estacionamentos de veículos de servidores ou demais autoridades, serão automaticamente interceptados.

Algumas unidades que possuem esse tipo de equipamento: Bangu I, Bangú III, Ismael Sirieiro, Galpão da Quinta, Ary Franco. SEAP-JP

Além disso, existe um programa de escuta ambiental, onde o operador do sistema, consegue ter acesso com zoom e tudo mais, o que o apenado ou servidor público está falando. Este sistema veio da Digitro (empresa em Santa Catarina, que o superintendente da Sispen há época, fazia palestras pela mesma).

Na Sispen na época do major Odawara, as maletas de interceptação telefônicas, eram usadas para quem ele queria escutar, sendo que o superintendente adjunto dele, era segurança pessoal do Eduardo Cunha, atualmente preso.

Na Corregedoria o Delegado da Polícia federal, criou pontos eletrônicos e usando esse sistema para escutar qualquer pessoa, assim como, estava fazendo uso do guardião para isso, ou seja, qualquer pessoa poderia ser interceptada, mas isso é antigo no sistema penitenciário, já foi muito usado por políticos.

As maletas de interceptação, vieram de Israel na época, depois de o major Odawara e o Coronel Calixto voltarem de viagem de Israel. E agora a Policia Federal poderá apurar os verdadeiros objetivos da interceptação telefônica da SEAP-RJ, que segundo denúncias recebidas….. Poderiam estar sendo usadas, até mesmo contra a Lava Jato.

Segundo Denúncias, “seriam crimes de grampo e interceptação telefônica continuada, que possivelmente, poderia estar sendo usada contra a própria Lava Jato”..

A superintendência da Corregedoria da Policia Federal, já determinou a abertura de sindicância, assim como já contactou a Secretaria de Estado de administração Penitenciária , e irá entrar no circuito, para fins de apurar irregularidade praticado pelo Corregedor Fabio Andrade, assim como apurar o uso de equipamento de escutas ilegais e até crime praticado contra a lava jato.

Marcos V. Campos 

Paulo Moisés B. Lourenço
Paulo Moisés B. Lourenço

Editor chefe do Portal TPNews.
Publicitário, Formado em comunicação Social pela Universidade Gama Filho.

Compartilhe

Assine nossa newsletter

 

Nos siga nas redes sociais

 

Veja também

Offshore põe Paulo Guedes no centro da agenda política da semana…

Escândalo revela que ministro Paulo Guedes lucrou com empresa em paraíso fiscal, a cada mês algum membro da equipe de Bolsonaro é pego em escândalo. Desta vez, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é suspeito de movimentar  milhões de dólares de forma ilegal no...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.