Procuradores da lista tríplice defendem investigações antes do fim da CPI

Escrito por Portal TPNews

1 de julho de 2021

Categoria(s): Justiça

Tag(s):

Os 3 subprocuradores que integram a lista tríplice para o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República) afirmaram em entrevista exclusiva ao Poder360 que o atual procurador-geral, Augusto Aras, poderia abrir desde já uma investigação sobre o caso Covaxin, ponto de preocupação do Planalto na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado.

Na opinião de Luiza Frischeisen, Mario Bonsaglia e Nicolao Dino, não há impedimento à Procuradoria para iniciar uma apuração antes das conclusões dos trabalhos da comissão.

As declarações vão de encontro à posição adotada pela atual gestão da PGR. Na 3ª feira (29.jun.2021), o vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, pediu ao STF (Supremo Tribunal Federal) que aguardasse o fim da CPI para dar início a um pedido de investigação apresentado por senadores sobre suposto crime de prevaricação cometido pelo presidente Jair Bolsonaro. Caberá à ministra Rosa Weber avaliar o caso.

Luiza Frischeisen, que encabeça a lista tríplice, afirmou que as suspeitas da Covaxin são uma oportunidade para o atual comando da Procuradoria demonstrar proatividade na investigação.

Com essas notícias de que o senador Randolfe e outros estavam levando uma representação de prevaricação do presidente da República no gabinete da PGR, ele [Aras] certamente poderá mostrar o que pretende fazer, inclusive indicando colegas para acompanhar desde já [as apurações] e pedindo à CPI eventuais depoimentos. Temos esse momento agora“, disse.

Mario Bonsaglia disse que os trabalhos da comissão ainda não estão próximos do fim e por isso o relatório final, que será encaminhado ao MPF (Ministério Público Federal), pode ainda levar meses para ser finalizado.

O Ministério Público é um órgão ativo, ele não fica esperando. Quem fica esperando em seu gabinete a ser provocado pelas partes é o juiz. O membro do Ministério Público, não“, disse.

O subprocurador Nicolao Dino tem o mesmo posicionamento e disse que não há a necessidade da PGR aguardar o fim a CPI para adotar alguma medida investigativa.

Eu vejo que em princípio não há, por regra, a necessidade do procurador-geral da República aguardar a conclusão da CPI para adotar eventualmente alguma medida de investigação no plano criminal caso ele se depare com elementos suficientemente consistentes, inclusive, por exemplo, eventual crime de prevaricação [de Bolsonaro] por não ter levado a tempo e ao conhecimento das autoridades investigativas a notícia de que teria sido levadas pelo deputado federal Luís Miranda e seu irmão“, finalizou Nicolao Dino.

Portal TPNews
Portal TPNews

Portal de Notícias Online

Compartilhe

Assine nossa newsletter

 

Nos siga nas redes sociais

 

Veja também

Offshore põe Paulo Guedes no centro da agenda política da semana…

Escândalo revela que ministro Paulo Guedes lucrou com empresa em paraíso fiscal, a cada mês algum membro da equipe de Bolsonaro é pego em escândalo. Desta vez, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é suspeito de movimentar  milhões de dólares de forma ilegal no...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site.